Estudantes de Ceilândia e São Sebastião lerão cartas de amor às suas cidades na tarde desta sexta-feira, 6 de maio

O que pensa o jovem morador do Distrito Federal sobre sua cidade? Como ele vê o território em que vive? Em quais territórios gostaria de estar? Essas são algumas perguntas que norteiam quatro dias de oficinas onde serão produzidas cartas de amor escritas por estudantes do ensino médio da rede pública de Ceilândia e São Sebastião. Na tarde de sexta-feira, 6 de maio, essas cartas serão lidas na Rodoviária do Plano Piloto.

Todas e todos estão convidados para ouvir os sonhos e desejos dos jovens participantes das oficinas – conduzidas por Ana Flávia Garcia, Gabriel Guirá e Nadja Dulci. A atividade tem tradução em Libras feita por Tatiana Elizabeth.

Nadja, idealizadora do projeto, destaca a importância de falar sobre amor em tempos de guerra: “As cartas de amor têm um poder enorme de causar empatia, de criar reflexões por meio de uma narrativa muito íntima e pessoal. Em tempos de tanta violência, como esses que estamos vivendo, nossa ação é um ato político em prol do amor e do respeito entre seres humanos. Os protagonistas dessa ação são 60 jovens do DF, pensadores, criadores e escritores da própria vida. A leitura dessas cartas é nosso ato de amor para a cidade que nasceu de um sonho”, destaca.

Criado em 2012, em Ouro Preto (MG), Cartas de Amor comemora 10 anos com um histórico inspirador: participou de 15 festivais e ocupações artísticas de artes cênicas no Brasil; foi objeto de pesquisa da tese de doutorado de José Mario Peixoto na Universidade de Brasília (2018) e da dissertação de mestrado de Giulia Cavalcanti na University of Edinburgh (Escócia, 2020) e é capítulo do livro “O colecionador de histórias”, de Luís Humberto França (Editora Artigo A, 2017).

O projeto, que nasceu com o nome de “Nós Marílias”, também foi inspiração para o curta-metragem “Intervenções Urbanas” (2016). Marília é uma das personagens na obra de Lorena Figueiredo.

“A pandemia causada pelo novo coronavírus fez com que a gente repensasse tudo em nossas vidas e com o Cartas de Amor não foi diferente. Para respeitar o isolamento social que a doença exigia, em 2021, fizemos uma versão virtual com oficinas e debates com Rita Von Hunty, Roberta Estrela Dalva e Gabriel Martins, resultando na criação de uma série de vídeo-cartas”, conta Nadja, que lança, ainda em 2022, um curta-metragem baseado na experiência com o projeto.

O projeto Cartas de Amor para Brasília é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal em parceria com a Dulci Produções.

CARTAS DE AMOR PARA BRASÍLIA
Dia: 06 de maio de 2022 (sexta-feira)
Horário: das 14h30 às 16h30
Local: Rodoviária do Plano Piloto
Entrada franca
Classificação indicativa livre

Ficha Técnica
Nadja Dulci – Criação e Coordenação Geral
Mariana Baeta – Coordenação de Produção e Gestão
Ana Flávia Garcia, Gabriel Guirá e Nadja Dulci - Arte-Educadores
Tatiana Elizabeth – Intérprete de Libras
Maíra de Deus Brito – Assessoria de Imprensa
Gabriel Guirá – Projeto Gráfico e Mídias Digitais
Júlia Zakarewitz – Fotografia
Realização – Dulci Produções
Apoio: Turma da Sara e Chef Brunno Bacheschi

Fonte: Maíra de Deus Brito | Edição: Redação/Visite Brasília