Pedro Brandão, fotógrafo e proprietário do Tara Ateliê, e o diretor de arte Renato Petit Caputo, trazem uma visão artística da maternidade, fotografando gestantes e lactantes, com figurinos e direção de arte inspirados no Cerrado Brasileiro.

Cada mãe é única. Algumas características podem ser comum em todas, mas cada uma carrega sua essência e seu jeito de amar, cuidar e vivenciar a experiência inenarrável de ser mãe. Assim é o Cerrado: de longe tudo parece igual, mas cada árvore, cada cantinho deste bioma, é único e carrega sua identidade original inconfundível.

Envoltos por essa energia maternal, o Visite Brasília teve acesso exclusivo a um projeto que está sendo preparado para homenagear todas as mães do DF, ou melhor, todas as mamães do Cerrado Brasileiro. É o “Mães do Cerrado”.

Em conversa com Pedro Brandão, um dos idealizadores do projeto e, também, proprietário do Tara Ateliê, estúdio criativo para fotos e produções audiovisuais, o Visite Brasília entendeu como surgiu a ideia e de quais formas ela conversa com a Capital Federal, que é, diga-se de passagem, uma mãe referência quando o assunto é acolher.

 

Pedro Brandão - arquivo pessoal.

VB: Como surgiu o projeto? A partir de quais estímulos?

Pedro Brandão: O projeto surgiu de uma parceria antiga com o diretor de arte, Renato Petit, com quem costumo desenvolver projetos fotográficos e audiovisuais desde que voltei ao Brasil, há cerca de 4 anos. Além disso, no dia a dia atendo muitos clientes que geralmente estão buscando materiais fotográficos tradicionais por uma doutrinação do próprio mercado, já bem saturado. Então eu gosto de propor projetos com conceitos mais criativos e menos clichês, como forma de satisfazer uma sede artística e também como forma de mostrar pras pessoas que ensaios fotográficos não precisam ser sempre iguais.

VB: Qual a relação, em sua visão, da maternidade com a cidade de Brasília?

Pedro Brandão: É engraçado. Eu passei muitos anos longe de Brasília, mas toda vez que eu colocava o pé aqui, já na saída do Aeroporto mesmo, eu parecia sentir o cheiro da cidade. Não sei explicar exatamente, mas é como se Brasília tivesse um aroma diferente. Fresco. De natureza. Isso sempre me fez sentir como se eu estivesse no colo da minha mãe. É uma sensação de bem-estar. Brasília é uma cidade que, apesar de tantos problemas comuns à qualquer cidade do mundo, ainda é uma cidade que me acolhe. É onde sinto a presença dos meus pais.

VB: Direção Criativa e Produção Fotográfica, de que forma o Tara acredita poder escrever narrativas através da eternização desses materiais?

Pedro Brandão: A fotografia tem um papel fundamental no registro de contextos históricos, o que é registrado hoje se torna eterno. Porém o contexto sociocomportamental devém. Vai ser interessante observar daqui a uns anos tudo o que está sendo produzido aqui, hoje. As ideias serão diferentes, os conceitos visuais, as possibilidades de criação e acesso à novas tecnologias. O meu olhar e bagagem, inclusive, serão bem diferentes. A grande responsabilidade do Tara está em, sempre de forma artística, viver uma coisa chamada presente e fazer com que as gerações que estiverem nos “presentes futuros”, tenham a oportunidade de saber o que o nosso contexto histórico estava querendo expressar e dizer.

 

Tara Ateliê - SIG Quadra 1, Lotes 985/1055 - Asa Sul

VB: Como surgiu o Tara Ateliê?

Pedro Brandão: O Tara surgiu de um sonho antigo. De quando, na verdade, ainda trabalhava como ator. Eu desejava um espaço físico onde eu pudesse experimentar, algo como um laboratório onde eu pudesse encontrar formas de me expressar artisticamente. Depois que migrei da atuação para a fotografia, isso se mostrou necessário. É um espaço pensado pra não se parecer com um ambiente corporativo. Aqui você sente como se estivesse em casa. E a razão de eu usar Tara e não simplesmente Pedro Brandão como nome, é que o ateliê funciona como meu pseudonimo, é uma forma de proteger meu ego e criar de forma mais livre de amarras.

Podemos chamar de arte a capacidade de ser mãe, pois cada uma é a própria artista de si, tecendo a sua trajetória. Do ventre à criação, cada mãe coloca no mundo parte de si, parte de seus sonhos, parte de seu amor. Se isso não for arte, o que mais é? A maternidade é, sem dúvidas, uma das experiências humanas mais surreais no que tange o amor, os desafios e a sutileza/destreza em educar seres tão pequenos e indefesos.

O projeto “Mães do Cerrado” será divulgado, em sua totalidade, no próximo dia 08/05, Dia das Mães, nos canais oficiais do Tara Ateliê (@taraatelie). Não deixe de acompanhar e compartilhar com todas as mamães este lindo presente.

FICHA TÉCNICA “MÃES DO CERRADO”

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA: PEDRO BRANDÃO

PRODUÇÃO DE ARTE E FIGURINO: RENATO PETIT

CABELO E MAQUIAGEM: STUDIO J21

ACESSÓRIOS: DAS MENINAS ATELIÊ

MAKING-OF: MAÍRA GUEDES

APOIO: MARINNA GUEDES

Tara - Ateliê de Ideias

De segunda a sexta

Das 8h às 19h

SIG Quadra 1, Lotes 985/1055 - Asa Sul

Brasília - DF, 70610-410

+55 (61) 99658-1985

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 Fonte: Texto/colaboração: Kaio Raffael Marques