Brasília em um Único lugar.

04.07.2018

21ª EDIÇÃO DO PALCO GIRATÓRIO CHEGA A BRASÍLIA EM JULHO, COM UMA HOMENAGEM AO MUNDO DO CIRCO

Cia dos Palhaços Concerto em Ri M aior Crédito Nilton Russo HORIZONTAL 3 21ª EDIÇÃO DO PALCO GIRATÓRIO CHEGA A BRASÍLIA EM JULHO, COM UMA HOMENAGEM AO MUNDO DO CIRCO

O Palco Giratório, iniciativa do Sesc, chega à sua 21ª edição trazendo 625 apresentações artísticas e mais de 1,6 mil horas de oficinas em todo o Brasil. Consolidado como o maior projeto de difusão e intercâmbio de Artes Cênicas do País, o circuito aterrissa na capital federal de 7 a 29 de julho. Em 2018, será destacado o circo, e tem como homenageado o Palhaço Biribinha, que é considerado patrimônio vivo da cultura alagoana.

A casa oficial do Palco Giratório no DF continua sendo o Teatro Sesc Garagem (913 Sul), mas acontecerão apresentações também nas unidades de Ceilândia, Taguatinga Norte e Gama. De acordo com Leonardo Braga, técnico de Cultura do Sesc Gama, o festival se reafirma como o principal no cenário das Artes Cênicas. “A cada ano o Palco Giratório se fortalece como uma das mais importantes ações dentro do teatro, contemplando todas as linguagens. E o Distrito Federal é o único Regional que está desde o início quando o Palco assumiu o caráter de festival. O nosso objetivo por meio do evento é valorizar o artista, além de promover o debate e diálogo entre os grupos e o público”, explica.

Circo Amarillo 2 Clake Paulo Barbuto 21ª EDIÇÃO DO PALCO GIRATÓRIO CHEGA A BRASÍLIA EM JULHO, COM UMA HOMENAGEM AO MUNDO DO CIRCO

Para o diretor do grupo Teatro do Concreto, Francis Wilker, fazer parte da programação do Palco Giratório é motivo de grande alegria e realização. “Estamos muito felizes em poder participar do Palco, pois é o sonho de qualquer grupo de teatro. Está sendo um momento de aprendizagem e troca de experiências ao circular em mais de 10 cidades apresentando o espetáculo Entrepartidas. A peça ocorre dentro e fora de um ônibus em que convidamos o público a ter uma relação de amor e abandono dos lugares em que passamos”, revelou.

O Palco Giratório conta com espetáculos para todas as faixas etárias, programação de oficinas e pensamentos giratórios (debates). Tudo isso é realizado com a participação da plateia e de artistas locais e convidados. Para este ano, foram selecionados 20 grupos de 12 estados e do Distrito Federal. Ao longo do circuito, 132 cidades devem receber a programação.

O Imaginário 4 As mulheres do Aluá foto Leonardo Valério 21ª EDIÇÃO DO PALCO GIRATÓRIO CHEGA A BRASÍLIA EM JULHO, COM UMA HOMENAGEM AO MUNDO DO CIRCO

 

Foto: Leonardo Valério

Foto: Nilton Russo

Foto Paulo Barbuto

Palco Giratório

Período: 7 a 29/7

Locais: Sesc 913 Sul, Sesc Ceilândia, Sesc Taguatinga Norte e Sesc Gama

*Programação completa em anexo.

Programação Palco Giratório 2018

Dia 07/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

20h30 – Segunda Pele

Coletivo Lugar Comum

Recife – PE

Dança – 70 min –  16 anos

Sinopse para divulgação: Quantas peles habitam nosso corpo? Pêlo, casca, casa, cidade, olhar, pudor, prazer, cortes, avessos, toques, sorrisos, sons, leite, vento, chuva, memórias. O espetáculo Segunda Pele leva para cena corpos em troca de peles, em transformação, em desnudamentos. Movimentando entendimentos sobre a diversidade de corpos, pelas infinitas possibilidades do ser, e por tudo que ainda precisa ser discutido sobre padrões vigentes em nossa sociedade. Peles que escamam ao longo da cena, revelando histórias, corpos e experiências de vida das quatro dançarinas do elenco. Criado em 2012, o espetáculo foi recriado em 2016, com nova pele, novas vestes e novos desnudamentos em cena, ampliando o mergulho experimentado na montagem anterior.

Dia 08/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 16h – Pensamento Giratório

Segunda Pele

Coletivo Lugar Comum

Recife – PE

Sinopse: Como existir em coletivo?
Vivemos em tempos incertos, onde a única certeza parece ser a crise. Também no campo da arte as formas de categorizar e criar as obras são cada vez mais desafiadas por maneiras que borram fronteiras, misturam suportes e descartam convenções. Tudo isso pode gerar uma sensação incômoda pela falência dos critérios de compreensão ainda vigentes, mas também representa uma imensa potência no sentido de ampliar o alcance e o escopo do que é entendido como arte e como vivenciamos seus processo e organizações.
A proposta dessa conversa é a de trocar experiências sobre diferentes formatos de organização de grupos artísticos e alguns princípios de relação neles implicados. O Coletivo Lugar Comum tem uma vivência de 10 anos experimentando diferentes maneiras de se organizar, seja administrativamente, seja criativamente. Sem a figura de um diretor ou coreógrafo, nossas funções são definidas dentro do coletivo de acordo com as habilidades de cada um e podem ser rotativas, se revezando a cada época.

20h30 – Looping: Bahia Overdub

Felipe de Assis, Leonardo França e Rita Aquino

Salvador – BA

Dança – 90 min –  18 anos

Sinopse para divulgação: Looping: Bahia Overdub é festa, dança e política. As festas de largo de Salvador e suas contradições são a paisagem predominante de Looping: Bahia Overdub, espetáculo que emerge do encontro entre pensamento sonoro e pensamento coreográfico. Looping constitui um estudo do tempo: repetição e acumulação. Movimentos de tensão e distensão da cultura, através de procedimentos que organizam sonoridades, corpos e espaços. Assim como nas ruas, o que está em jogo são arranjos coletivos através de uma participação estético-política.

Dia 11/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

17h – Voa

Coletivo Antônia

Brasília – DF

Teatro para Bebês – 40 min – Livre

Sinopse: O espetáculo VOA contou com o olhar da diretora Rita de Almeida Castro (Teatro do Instante) e do músico Euler Oliveira. Cujas sensibilidades contribuíram significativamente para percorrem os caminhos dos sentidos e das sutilezas. Em cena, uma inspiração do livro “A menina e o Pássaro Encantado” escrito por Rubem Alves. E a história de duas crianças e um pássaro. Relação da qual surgem o carinho e a cumplicidade. Mas também a percepção da diferença, o sentimento de saudade, o medo de estar só. A cena se materializa em distintas atmosferas. As atrizes percorrem estados e sensações diferenciados. E os bebês e crianças são as co-criadoras dos movimentos e momentos compartilhados.

Dia 12/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

20h30 – O Novo Espetáculo (Tudo está à Venda)

Grupo Tripé

Brasília – DF

Teatro Adulto – 60 min – 14 anos

Sinopse: 2103, o Planeta Terra termina sua 3ª Guerra Mundial, vencida por um monarca absolutista e Temeroso. A frente de um Estado Planetário e totalitário, o novo comandante proíbe qualquer tipo de oposição, a liberdade de expressão e inicia um plano de extermínio das tecnologias. A sociedade se divide em três, aqueles que seguem o ditador, aqueles que foram feitos escravos e alguns poucos que conseguiram fugir, comumente chamados de Selvagens. Em uma sessão de extermínio de Selvagens, um jovem vê sua família ser assassinada e consegue fugir. A jornada começa…

Dia 13/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

20h30 – Animo Festas

La Cascata Cia. Cômica

São José dos Campos – SP

Circo – 50 min – 18 anos

Sinopse: No freak-show Animo Festas, o universo do palhaço é personificado na sombria figura de Klaus, que narra suas memórias no “submundo” de festas infantis.
Klaus sobrevive de performances em festas infantis e narra suas memórias no “submundo” desses eventos, ao som de rock, música francesa e trilhas infantis dos anos 1980. O paulistano Marcio Douglas, criador da La Cascata Cia. Cômica, encarna o anti-herói da palhaçaria. Esse freak-show de humor ácido reflete sobre questões como o valor do trabalho artístico, a felicidade e a sobrevivência.

Teatro Newton Rossi – Sesc Ceilândia

20h30 – Fauna

Grupo Quatroloscinco – Teatro do Comum

Belo Horizonte – MG

Teatro Adulto – 75min – 16 anos

Sinopse: “Ei, você me conhece? Posso me aproximar? Eu sou só um animal vivo.” Nesta peça-conversa, dois atores se misturam ao público para explorarem a dimensão política do corpo e seus afetos, fazendo borrar os limites entre o íntimo e o privado, o pessoal e o coletivo.

Dia 14/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – Concerto em Ri Maior

Cia dos Palhaços

Curitiba – PR

Circo – 70min – Livre

Sinopse: Uma comédia musical que surgiu em 2005 a partir de jogos de improvisação do palhaço com a música. No espetáculo, o maestro e palhaço Wilson Chevchenco apresenta um concerto baseado em sua origem russa e conta com a ajuda de Sarrafo, seu fiel amigo, para executar as obras de sua família e ser compreendido pela plateia, já que não fala o idioma português. O concerto conta ainda com um coral, que é integrado pelo público. Também são utilizados vários instrumentos como piano, violão, acordeom, gaita, castanholas e harmônica. O espetáculo tem muita música, dança, improvisação e participação da plateia.

Teatro Paulo Gracindo – Sesc Gama

20h – A Salto Alto: entre gentilezas e extermínio

Circo no Ato

Rio de Janeiro – RJ

Circo – 50 min – livre

Sinopse: A Salto Alto – Entre gentilezas e extermínios conta a história de sete pessoas que ao terem acesso a uma outra maneira de viver se despem de suas experiências para vestir essa outra realidade. O espetáculo se desenrola a partir desse tensionamento, entre um ambiente formal e refinado e personagens que carregam em sua essência a irreverência de quem tem que reinventar e ressignificar a vida a cada instante. O espetáculo profana a fábula romântica da Cinderela tendo como principal crítica o consumismo desenfreado da nossa sociedade.

Dia 18/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 17h – Cuco: a linguagem dos bebês no teatro

Cia Caixa do Elefante

Porto Alegre – RS

Teatro Infanto Juvenil – 60min – Livre

Sinopse: Através das experiências lúdicas e estéticas dos bebês, do jogo entre o “esconder e o revelar”, o espetáculo cria uma atmosfera na qual as fronteiras do tempo, das formas e dos sentidos se intercambiam entre o real e o imaginável, entre o possível e o surreal. Essa brincadeira ficcional, de criar e dar sentidos toma forma num ninho, numa cama acolchoada. Espaço que acolhe fantasias, surpresa e tudo o que é possível a uma criança colecionar.

Dia 19/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – SIMILITUDO

Cia Pés – Teatro-Dança para Pessoas com Deficiência

Brasília – DF

45 min – Livre

Sinopse:

SIMILITUDO propõe-se ao cotidiano em cena. O espetáculo aborda questões do convívio social no dia-a-dia e de como esse cotidiano, muitas vezes, poda e molda padrões de movimento, de relacionamento e até a sensibilidade.

Dia 20/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – Como Manter-se Vivo?

Flávia Pinheiro

Recife – PE

Dança – 50 min – Livre

Sinopse: Como manter-se vivo? investiga a urgência de permanecer em movimento como um procedimento de sobrevivência. Um questionamento de como nos relacionamos com a imaterialidade das relações propostas pelos dispositivos e a certeza da nossa impermanência. Como continuar em movimento?   Como resistir ao desequilibrio e a instabilidade da existência? Como persistir no tempo? Uma prática circular que por não desistir sucumbe a falha eterna e inerente da matéria. O colapso da própria vida/arte na ausência de um perspectiva de futuro do fazer/ser em dinâmica em uma conjuntura estática, monitorada, programada….até o dia em que os robots incorporam melhor que nós humanos, a nossa própria humanidade.

Teatro Newton Rossi – Sesc Ceilândia

 20h30 – Eles Não Usam Tênis Naique

Cia Marginal

Rio de Janeiro – RJ

Teatro adulto – 85 min – 14 anos

Sinopse: Ambientado numa favela do Rio de Janeiro, ELES NÃO USAM TÊNIS NAIQUE narra o reencontro de um pai e uma filha que não se viam há muitos anos. Ele foi traficante nos anos 80, quando o comércio ilegal de drogas ainda mantinha um vínculo moral com a comunidade, ela é uma jovem traficante nos dias atuais. O espetáculo gira em torno de um embate ideológico entre os dois personagens, representados em cena por quatro atores que se alternam sucessivamente nos dois papeis, num jogo cênico em que nenhuma posição é fixa e onde a ficção está sempre sob o risco da realidade.

Teatro Paulo Gracindo – Sesc Gama

 20h – Dança Anfíbia

Cia dos Pés

Maceió – AL

Dança – 55 min – 16 anos

oficina

Sinopse: Em Dança anfíbia tomamos como ponto de partida a metáfora lançada por Gilberto Freire de ser “a gente alagoana uma gente anfíbia”. Pensamos num ser anfíbio como aquele que, mais que sobreviver em um ambiente, cria condições de criação e se faz nesse ambiente, se reinventando em meio a processos adaptativos. Dança anfíbia propõe um mergulho nas possibilidades evolutivas que a vontade de criar é capaz de gerar, entendendo o processo de criação em dança como um processo adaptativo. Neste processo, lançar-se nos riscos das descobertas, dos devires e das relações, admitindo as ambiguidades, ambivalências e contradições humanas como potencias de inventividade.

Teatro Paulo Autran – Sesc Taguatinga Norte

 20h – As Mulheres do Aluá

O Imaginário

Porto Velho – RO

Teatro adulto – 60 min – 14 anos

Sinopse: Mulheres de diferentes épocas que foram condenadas, num período em que o pensamento-homem é que determinava a condição de cada uma delas. Com histórias marcadas pelas violências e pelas dificuldades enfrentadas em um ambiente hostil e opressor do passado na Amazônia. Uma investigação cênica que coloca em foco a relação de gênero e o universo feminino. Quem são essas mulheres?

Dia 21/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – Os Cavalheiros da Triste Figura

Grupo Teatral Boca de Cena

Aracajú – SE

Teatro de Rua – 60 min – Livre

Sinopse: O espetáculo Os cavaleiros da triste figura é o resultado do encontro cênico do Grupo Boca de Cena, e seus colaboradores, com a literatura de Miguel de Cervantes. Livremente inspirado em Dom Quixote de La Mancha, a história que pretende-se retratar extrapola a literatura e se contamina por toda a realidade circundante, em forma de sonho (ou delírio).
Neste Dom Quixote, denominado Os cavaleiros da Triste Figura, um grupo de atuadores, em praça pública, insiste em instaurar suas histórias. Desfazendo-se e reinventando-se a cada golpe, permeados por loucuras e delírios, alimentam um desejo excêntrico, cada vez mais desacreditado: transformar o mundo!

Teatro Newton Rossi – Sesc Ceilândia

 08h às 12h e 14h às 18h – Oficina Trocas Marginais

Cia Marginal

Rio de Janeiro – RJ

Teatro adulto – Carga horária: 08h

A oficina TROCAS MARGINAIS será um espaço de transmissão e exercício de uma rotina de treinamento físico e preparação de ator, e também de um conjunto de dispositivos de pesquisa e criação, desenvolvidos e acionados ao longo dos mais de dez anos de trabalho continuado da CIA MARGINAL.
O trabalho da CIA MARGINAL resulta de uma pesquisa de linguagem sobre as tensões entre o pessoal e o coletivo, o real e o ficcional, a memória e a crítica social. Na oficina, iremos explorar essa zona de tensão, por meio de propostas de improvisações e exercícios de composição conjunta que levem os participantes a transitar entre aqueles extremos e a construir breves momentos cênicos onde já não seja mais possível diferenciar o pessoal do coletivo, a memória da crítica social, o real do ficcional.
De modo geral, a oficina tem como objetivo disseminar o conhecimento acumulado pela CIA MARGINAL em seus 12 anos de trabalho continuado, para que os participantes possam desdobrá-lo em suas áreas de atuação. Especificamente, os encontros incluirão:
– Exercícios que trabalhem sobre a dilatação dos sentidos, da presença, da atenção e da capacidade expressiva dos participantes, assim como explorem as relações do treinamento físico com a imaginação e a criação.
– Propostas de improvisação e de jogos que estimulem o ator a transitar entre mundos e tempos reais e ficcionais.
– Exercícios de composição cênica e dramatúrgica que explorem diferentes possibilidades de fabulação e ficcionalização a partir de documentos “reais”, históricos, autobiográficos, ou mesmo etnográficos.

Teatro Paulo Gracindo – Sesc Gama 

 14h às 20h – Oficina dança anfíbia

Cia dos Pés

Maceió – AL

Teatro – Carga horária: 08h

Oficina 1- Aterramento e presença

A proposta da oficina é apresentar o modo como a Cia dos pés articula os referenciais do Tai Chi e da dança do coco de Alagoas, como dispositivos para o acionamento de um estado corporal presente na ação cênica.

Oficina 2 – A iluminação enquanto elemento modificador da cena
Esta oficina tem por objetivo, iniciar um despertar para a percepção da luz como elemento modificador da cena, proporcionando aos participantes uma experimentação tangível na utilização da iluminação cênica, que sirva como ponto de partida para suas pesquisas e criações.
Coletivo Errática17h – Plugue: um desvio imaginativo

Montenegro – RS

Infantil – 55 min – Livre

Sinopse: Um misterioso fio azul se espalha pela cidade, ligando tudo, todos e provocando insólitas situações para os habitantes do local. Que fio é esse? De onde vem? Para onde vai? Como é que eu vim parar aqui? São perguntas que fazemos quando somos sugados para dentro de um desvio imaginativo. PLUGUE é uma história que começa, assim, esquisita e acaba não terminando, quase como se se perdesse no caminho. Caminho entre lá e cá, entre pequeno, grande e de volta. Uma história que quando chega ao fim, desaparece como uma mensagem naqueles filmes de agente secreto, e quem lembrou, lembrou, e quem esqueceu… não tem problema, a gente inventa outra, porque é uma história que se faz junto e que certamente tem pé e tem cabeça. E tem joelho, braço e coração. Ah, e polvo! Só não me pergunte como…

Teatro Paulo Autran – Sesc Taguatinga Norte

 14h às 20h – Oficina O Ator Criador e a Cena

O Imaginário

Porto Velho – RO

Teatro adulto – Carga horária: 06h

Oficina 1 – O ATOR CRIADOR E A CENA
Experiências práticas, abordando os aspectos do processo de trabalho, o fazer teatral, educação, sensibilidade, apreciação e relatos de experiências vivenciadas nos processos de trabalho. Dinâmicas de grupo, técnicas de teatro popular, de espaços abertos, o ator e o estado de representação/prontidão.

Oficina 2 – Gestão cultural do nosso ofício
Ferramentas para a criação e gestão de um projeto/empresa cultural desenvolvido a partir das ideias e criatividades pessoais desde sua raiz (ideias) até a sua realização. Orientando e capacitando em cada passo da construção de um projeto: gestão – ofício – missão – ideias e empresa/instituição (tipos).

Dia 22/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – Tsunami

Parceria do Grupo Ateliê Aberto, Sutil Ato e Casa das Anas – Qg de Criação

Brasília – DF

Teatro Adulto – 75 min – 14 anos

Sinopse: Uma refugiada, sem lugar, sem destino, mas sobrevivente. Uma personagem abraçada ao silêncio, revirando as memórias do próprio corpo, imersa ou submersa na delicadeza da própria existência. Com a ausência da palavra, o espetáculo propõe uma reflexão sobre o contexto mundial contemporâneo, marcado pela dificuldade de entendimento, apresentando uma narrativa tecida por gestos, ações e imagens poéticas. Convidando o público a se abrir para outros sentidos, o encontro com a personagem evoca temas como amor, solidão, utopia, compaixão, esperança, fé ou nada disso, buscando uma experiência de aproximação através do afeto.

Dia 25/07

Praça do Conjunto Nacional

20h – Édipo Rei: o rei dos bobos

BR s.a. – Coletivo de Artistas do DF e Convidados.

Brasília – DF

Teatro de Rua – 75 min – 16 anos

Sinopse: Édipo Rei – o rei dos Bobos é um espetáculo de palhaços para adultos que narra a história do rei Édipo que está preocupado com a terrível maldição que recaíra sobre Tebas, a cidade que governa. Como expectativa de uma solução para tantos problemas, envia seu cunhado, Creonte, para consultar o oráculo de Apolo. Creonte, ao retornar, informa ao rei Édipo que a maldição acabaria apenas quando o assassino de Laio — o antigo rei de Tebas — fosse encontrado e punido com a morte ou o exílio. Assim, Édipo Rei passa a dedicar-se inteira e exclusivamente à tarefa de descobrir quem teria sido o assassino do rei Laio. Ele começa por interrogar diversos cidadãos sobre o fato ocorrido, incluindo o adivinho chamado Tirésias, que diz a Édipo que foi ele mesmo que teria matado Laio. Contudo, Édipo Rei desconfia que Tirésias tenha se aliado a Creonte para destroná-lo. Ao envolver a própria família, sua esposa Jocasta intervém, tenta acalmá-lo e, com isso, pede para que Édipo conte toda a sua história. Jocasta desconfiada, também procura dissuadir Édipo de sua busca incansável da verdade. Logo, Jocasta implora a Édipo para não vasculhar ainda mais seu passado, porém seu pedido é ignorado ferozmente. O rei questiona mais pessoas, incluindo um mensageiro de Corinto e o antigo servo de Laio que saberiam melhor sobre a história de como Édipo fora abandonado por seus verdadeiros pais e adotado pela sua família de Corinto. Jocasta percebe que, na verdade, é a mãe de Édipo e que o rei Laio era seu verdadeiro pai. Horrorizada com o que ela acabara de descobrir, Jocasta tira a própria vida. Logo em seguida, o próprio Édipo percebe a verdade sobre a sua origem e fica tão horrorizado com seu destino trágico que decide furar os próprios olhos.

Dia 26/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – Desastro

Neto Machado

Salvador – BA

Dança Infanto-juvenil – 50min – Livre

Sinopse: Desastro brinca com o futuro que fazemos existir nas artimanhas da imaginação capaz de transformar um quarto no universo sideral. “Desastro” tem na trilha sonora o ponto de partida e questão fundamental: versões de uma mesma música de David Bowie, “Space Oddity”, inspiram o roteiro e dão o tom do espetáculo que recria a aventura de Major Tom, da letra da canção, numa viagem para explorar o desconhecido. Efeitos especiais de uma ficção científica protagonizada por superamigos, cúmplices dos poderes de ampliar suas percepções, Desastro é dança, mas não exatamente uma coreografia com passos no ritmo da música. É teatro, mas sem uma história com início, meio e fim. É um concerto de rock’n roll, mas sem banda nem cantor. Desastro é o poder de dar luz a novos mundos.

Dia 27/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – Autópsia de Um Beija-flor

Cia. Plágio de Teatro

Brasília – DF

Teatro Adulto – 60min – 14 anos

Sinopse: A AUTÓPSIA DE UM BEIJA-FLOR narra a estória de um experiente espião, veterano de ofício, e um suposto novato que vem substituir o seu antigo parceiro. Os novos companheiros de trabalho recebem a missão de obter informações sobre a intimidade de um certo homem público. Mas, nesse cenário de suspense policial, as coisas podem não sair tão bem quanto de costume e, em um mundo cheio de curiosos, os espiões podem tornar-se os verdadeiros alvos.

Teatro Newton Rossi – Sesc Ceilândia

 20h30 – Farinha com Açúcar ou Sobre a Substância de Meninos e Homens

Coletivo Negro

São Paulo – SP

Teatro Adulto – 80min – 16 anos

Sinopse: Na “peça-show”, busca-se uma relação íntima com o público por meio da palavra falada e cantada e, para isso, utiliza-se da construção poética da presença cênica: paisagens sonoras e imagéticas se materializam por meio do ato de contar, expor, celebrar, refletir e dialetizar a experiência de ser homem negro na urbanidade periférica. A obra é também tributária ao legado dos Racionais MC’s. Esta obra rendeu a Jé Oliveira a contemplação no 6ºPrêmio Questão de Crítica em 2017.

Teatro Paulo Autran – Sesc Taguatinga Norte

9h às 16h (1h de almoço) – Oficina – Encenação e espaço urbano

Teatro do Concreto

Brasília – DF

Teatro de Rua – Carga horária: 06h

Sinopse: Encenação e espaço urbano
Ministrantes: Gleide Firmino, Nei Cirqueira e Micheli Santini 20 vagas. O workshop tem como objetivo compartilhar procedimentos de criação do Teatro do Concreto, especialmente aqueles voltados para a relação entre cena e cidade e as imbricações com o campo da performance. Um percurso que pretende explorar e relacionar materiais biográficos dos participantes em jogo com a arquitetura, os fluxos e aspectos históricos da cidade. * 06 participantes serão convidados a integrar o elenco de apoio do espetáculo.

Oficina de Comicidade
Ministrante: Micheli Santini
Vagas: 15
Voltada para atores e não atores que desejem explorar dimensões do cômico.
A partir de vivencias/técnicas de palhaço e estudos e conceitos de comicidade exposto por Freud e Bergson, tipos de comportamentos cômicos, corporeidades e discursos.

Dia 28/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

 20h30 – P`s

Trapiá Cia Teatral

Caicó – RN

Teatro Adulto – 57min – 14 anos

Sinopse: O espetáculo “P’s”, de Gregoy Haertel, inspirado em “Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão”, obra na qual Michel Foucault descreve e analisa um caso real de parricídio acontecido na primeira metade do século XIX, “P’s” traz para uma vila do sertão nordestino a história de P, jovem que assassina brutalmente alguns familiares seus. Focando nas intensas contradições do personagem e passando por momentos que vão desde a sua infância até o seu suicídio, “P’s” procura trazer à tona o homem além do seu ato, não com o intuito de explicá-lo e, consequentemente, diminuí-lo, mas com a vontade única de nos aproximar dele e, com isto, talvez também nos aproximar de nós mesmos. P’s coloca em discussão a memória, a psiquiatria, a justiça e o amor desmedido.

Teatro Paulo Gracindo – Sesc Gama

20h – Clake

Circo Amarillo

São Paulo – SP

Circo – 60 min – Livre

Sinopse: CLAKE é um espetáculo cômico que acentua o trabalho da dupla Marcelo Lujan e Pablo Nordio como palhaços excêntricos musicais. Sequências de gags clássicas são combinadas com a linguagem contemporânea da dupla e resultam num espetáculo de palhaçaria cômica física e musical. Uma interessante experiência de sonoridades e circo que diverte o público de todas as idades. Direção Domingos Montagner.

Teatro Paulo Autran – Sesc Taguatinga Norte

 19h – Entrepartidas

Teatro do Concreto

Brasília – DF

Teatro de Rua – 165 min – 16 anos

Sinopse: Início da noite, a cidade se move como um complexo organismo. É hora do embarque! O público toma um ônibus e viaja pelas ruas da cidade onde conhece diversos personagens que se equilibram no fio do tempo, nos lembrando que a vida é feita de encontros e instantes. Um espetáculo que fala, sobretudo, daquilo que é efêmero, chegadas e partidas, saudades, desejos, possibilidades, vida e morte. A viagem pela cidade como pretexto para viajar pelas ruas de si mesmo. O espetáculo ENTREPARTIDAS é resultado de dois anos de pesquisa do Teatro do Concreto sobre o tema amor e abandono na sociedade contemporânea e foi agraciado com os títulos de Melhor espetáculo, direção, dramaturgia e ator no Prêmio SESC do Teatro Candango 2011.

Dia 29/07

Teatro Garagem – Sesc 913 sul

20h30 – O Crivo

Ateliê do Gesto

Goiânia – GO

Dança – 45 min – Livre

Sinopse: O Crivo é um espetáculo de dança inspirado na obra “Primeiras Estórias” do escritor João Guimarães Rosa, um dos mais revolucionários e complexos da literatura brasileira do século XX. Dois intérpretes, juntos, criam relações que só se revelam à medida em que, atravessam suas estórias, o SER-TÃO, o mundo de cada um, solitário, percebendo no recolhimento um mergulho na busca do que permanece, do que nos tornam diferentes e próprios.

Teatro Paulo Gracindo – Sesc Gama

 14h às 20h – Oficina Introdução a Arte da Palhaçaria

Circo Amarillo

São Paulo – SP

Circo – Carga horária: 06h

Sinopse: A oficina trata a introdução a arte da palhaçaria, historia e os movimentos artísticos que conduzem a vida do palhaço. Introdução a dramaturgia circenses e metalinguagem contemporânea. O Palhaço, momento histórico. Através de jogos que estimulam a criatividade e deixam o ser mais sutil e perceptível fazemos o contato com esta arte, que pode ser utilizada em vários contextos, musica, teatro, dança e circo. A dramaturgia chega hoje no circo para libertar as outras linguagens que ele recebe para poderem fazer do Circo uma arte mais profunda e nao simplesmente o entretenimento , chega a poesia alguma coisa a mais para dizer , hoje os artistas contemporâneos buscam novos caminhos e a dramaturgia os abraça e recebe para mostrar caminhos que os fará artistas únicos e não mais um que carrega a técnica por si só.

Teatro Paulo Autran – Sesc Taguatinga Norte

16h – Pensamento Giratório e Espetáculo: Entrepartidas

Teatro do Concreto

Brasília – DF

Teatro de Rua – 165 min – 16 anos

Sinopse: Início da noite, a cidade se move como um complexo organismo. É hora do embarque! O público toma um ônibus e viaja pelas ruas da cidade onde conhece diversos personagens que se equilibram no fio do tempo, nos lembrando que a vida é feita de encontros e instantes. Um espetáculo que fala, sobretudo, daquilo que é efêmero, chegadas e partidas, saudades, desejos, possibilidades, vida e morte. A viagem pela cidade como pretexto para viajar pelas ruas de si mesmo. O espetáculo ENTREPARTIDAS é resultado de dois anos de pesquisa do Teatro do Concreto sobre o tema amor e abandono na sociedade contemporânea e foi agraciado com os títulos de Melhor espetáculo, direção, dramaturgia e ator no Prêmio SESC do Teatro Candango 2011.

 

Fechar

Enviar email

Que tal ter acesso rápido e fácil ao seu roteiro de onde estiver?
Envie por e-mail, compartilhe com amigos, e divirta-se em BSB!!!

Fechar

Criar novo roteiro

Fechar

Editar Roteiro

Fechar

Esqueci minha senha

Fechar

Aviso

Solicitação enviada com sucesso!