EnglishJapanesePortugueseSpanish

ESPETÁCULO INÉDITO COM DIREÇÃO DE DENIS CAMARGO REALIZA CURTA TEMPORADA NO TEATRO SESC GARAGEM NOS DIAS 18 E 19 DE JUNHO


Foto Thiago Sabino 1024x684 ESPETÁCULO INÉDITO COM DIREÇÃO DE DENIS CAMARGO REALIZA CURTA TEMPORADA NO TEATRO SESC GARAGEM NOS DIAS 18 E 19 DE JUNHO

“A Casa de Lorca” é uma peça teatral intensa, livremente inspirada na obra A Casa de Bernarda Alba do poeta e dramaturgo espanhol Federico Garcia Lorca. À parte da simbologia que contém, relativamente às questões da ditadura de Franco, trata-se da história trágica e uma família do campo composta por uma mãe viúva, controladora e austera, e das suas cinco filhas. Em “A Casa de Lorca”, a dramaturgia partiu dessa premissa, de uma família onde as filhas são criadas e encarceradas pela própria mãe, para expor as tensões existentes sobre essas tensões sobre a liberdade sexual, de poder, de ciúmes, inveja e de repressão constantes.

“Ao refletir sobre as potencialidades de um texto tão emblemático e construído sob a perspectiva da ressignificação da palavra e dos atos imaginativos, o processo de construção de adaptação e construção do espetáculo “A casa de Lorca” focou na confluência de duas estéticas: realista e surrealista. Para tanto, e, se utilizando do desejo de construir um teatro poético que se utiliza da metáfora para ascender à anterioridade da imagem do sujeito, decidi radicalizar e laborar sob a perspectiva da ausência de cenário realista como prerrogativa de acionar a atividade de imaginação dramática do espectador.” Revela o diretor Denis Camargo.

A escolha do palco vazio deve-se ao fato que a ausência de cenografia derruba as convenções tradicionais de lugar e tempo, pois a ênfase encontra-se nas relações humanas. O que prende a atenção é a interação entre uma pessoa e outra. Em “A casa de Lorca”, as personagens lutam por elas mesmas sem conseguir dizer ou nomear o conflito. A violência recíproca que se estabelece sob o teto da casa da castradora mãe Bernarda faz-se inexprimível. A voz que fala é agônica. Não se trata de meias-palavras ou tabu. Um adiamento crescente de anticlímax vai exaurindo todas as possibilidades de uma reviravolta. Dizer é calar, é aderir ao ritmo que desenha os cárceres. A iminência do mesmo amanhã confina todas à iminência da clausura. As palavras são punhais, e o sangue coagula na ira domada.

“Desta forma, trabalhamos para manter a ideia de que a palavra aqui é gesto, dado, desistência, dor, grito, esperança falhada, desejo e morte. A empregada da casa de Bernarda não fala somente como empregada, e a filha ou as filhas não falam como filhas, os delírios poéticos da idosa avó (mãe de Bernarda) não são rupturas com a verossimilhança nem eliminação das referências realistas.” Continua o diretor.

Federico Garcia Lorca  (1898-1936) é considerado um dos mais importantes autores modernos de língua espanhola. Sua produção literária demonstra sua identificação com os mouros, os negros, os judeus e os ciganos, alvos de perseguições ao longo da História de sua região (e do mundo). Lorca jamais deixou de manifestar aversão aos fascistas e aos militares franquistas, fato que o fez ser fuzilado por militares franquistas no início da Guerra Civil Espanhola.

Ao propor esse processo criativo na disciplina “Prática de Montagem 1” no curso de Teatro do IESB, o desejo não se limitava apenas na experimentação estética porque, diante do contexto político atual e da assombração da ditadura brasileira, faz-se necessário rever esse tempo obscuro, cruel, desumano para falar metafórica, simbólica e cenicamente. Além disso, os riscos na área artística e cultural já estão sendo revelados: cortes de verbas destinadas para a área cultural, Fundo de Apoio à Cultura – FAC foi bloqueado pela Secult-DF, diversos programas de apoio culturais que foram cancelados, etc.

Ficha técnica

Direção: Denis Camargo

Assistente de Direção: Letícia Madeira

Direção de Arte: Thiago Sabino

Elenco: Camilla Goulart, Cristiane Farias, Diogo Siltins, Erick Gurgel, Filipe Moura, Gabriela Bastos, Lucas Paiva, Maria Marinho, Viktor Leizen e Wallan Tcharles

Direção Musical: Walber Freitas

Assessoria de Imprensa: V4 Cultural

Realização: Centro Universitário IESB – Curso de Teatro

Fotos:Thiago Sabino

Serviço

Dias 18 e 19 de junho de 2019

Terça e quarta às 20h
Local: Teatro Sesc Garagem 913 Sul

Entrada: Gratuita (mediante doação de 1 kg de alimento não perecível que serão doados para o Programa Mesa Brasil)

Classificação: 14 anos

Duração: 90 minutos

Informações: 61 98212-3464

 

 

Por: visitebrasilia
Data: 12/06/2019


Fechar

Enviar email

Que tal ter acesso rápido e fácil ao seu roteiro de onde estiver?
Envie por e-mail, compartilhe com amigos, e divirta-se em BSB!!!

Fechar

Criar novo roteiro

Fechar

Editar Roteiro

Fechar

Esqueci minha senha

Fechar

Aviso

Solicitação enviada com sucesso!