EnglishJapanesePortugueseSpanish
28.09.2019

MÚSICA E ATIVISMO AMBIENTAL: KEILAH DINIZ CELEBRA 50 ANOS DE CARREIRA LANÇANDO O DISCO DONS NO CLUBE DO CHORO DE BRASÍLIA

Keilah Diniz Foto TK Hezim915 1 1024x683 MÚSICA E ATIVISMO AMBIENTAL: KEILAH DINIZ CELEBRA 50 ANOS DE CARREIRA LANÇANDO O DISCO DONS NO CLUBE DO CHORO DE BRASÍLIA

Após 17 anos do lançamento de seu penúltimo disco, a cantora e compositora Keilah Diniz retorna aos palcos para celebrar 50 anos de carreira de compositora (e 40 anos de cantora) com o lançamento do trabalho Dons, que reúne canções ainda não registradas de seu repertório

Natural de Nova Aurora, Goiás, e radicada em Brasília desde os anos 1970, Keilah viveu os últimos anos entre a capital e o Estado do Acre, vivenciando e pesquisando culturas de povos originários das florestas

Com seu mais recente disco, intitulado Dons, Keilah Diniz retorna aos palcos e estúdios depois de pausa de 17 anos, para celebrar seus 50 anos de carreira de compositora – e 40 anos de cantora –, provocando um encontro de gerações da música candanga em torno de seu trabalho, que há décadas se vale da música como fator de construção de uma nova consciência ambiental. O disco, disponível em todas as plataformas de streaming desde o fim de agosto de 2019, terá seu show de lançamento no dia 15 de outubro (terça-feira), às 21 horas, no Clube do Choro de Brasília. Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada), com classificação indicativa Livre.

Gravado no Estúdio 1234, de Pedro Tavares, entre outubro e dezembro de 2018, o disco levou mais de dois anos para ser concebido e reúne canções do repertório de Keilah que ainda não haviam sido registradas. Desde a gravação de seus primeiros trabalhos – Amazônia…a Deus (1988); e Cores da Mata (2002) – a cantora já manifestava interesse em registrar faixas que, segundo ela, “continuavam palpitando na cabeça, na garganta e nas gavetas do tempo pessoal e social”.

Obra de forte engajamento ambiental, o trabalho de Keilah traz referências e reverências à natureza e às manifestações sociais e culturais do Brasil, imprimindo sensações sinestésicas que podem tratar, a um só tempo, de paisagens do cerrado, da cultura dos povos e encantamentos das florestas, ou mesmo de manifestações e erupções políticas contemporâneas. A cantora se mostra atual em Dons, evidenciando sua pluralidade poética e musical, unindo referências cerratenses e amazônicas, territórios bastante conhecidos e defendidos por ela.

Da herança musical familiar ao arcabouço de referencias que vão desde à era dos festivais da MPB à música engajada de Violeta Parra e Victor Jara, passando pelos sons andinos, pela cultura negra, indígena e pela produção musical das comunidades ayahuasqueiras, a artista assim define a motivação para o novo disco: “Não é busca de sucesso, de aplausos. É simplesmente a necessidade de comunicar aquilo que vai na alma e que pode ter ressonância no outro, próximos ou distantes, amigos, companheiros de batalhas, nos diferentes e divergentes. Porque a música, em seu sentido universal e transcendente, é uma linguagem comum a todos os povos e por isso um elo que nos une”, diz.

O disco Dons, gravado com recursos próprios, conta com a parceria do maestro popular acreano James Fernandes na concepção de suas bases, arranjadas pelo maestro candango Flávio Fonseca, que assina a direção musical do trabalho. Enriquecendo o trabalho, um time dos mais qualificados músicos do DF compõe a ficha técnica. São eles: Hamilton Pinheiro (baixo), Daniel Baker (piano), Diana Mota (flautas), Quarteto de Cordas (Ivan Quintana, Fabianne Gotelipe, Antônio Fábio, Guilherme Ficarelli), Victor Angeleas (bandolim), Pedro Vasconcellos (cavaquinho), Eugênio Matos (acordeon e piano), Paulo André (guitarras), Célio Maciel (bateria), Marcos Ramalho (percussão), Valério Xavier (pandeiro), Fernando César (violão de 7 cordas), Moisés Alves (trompete), Marcos Mesquita (viola caipira), Ademir Júnior (clarineta e sax) e Flávio Fonseca (violão-base).

Complementando as vozes do disco, um coro de amigas e amigos da cantora também se destaca, reunindo Silene Farias, Tatiana Diniz, Marco Burlamaqui, Nayara Lopes, Gabriel Kuran, Flávio Fonseca, Eurilinda Figueiredo, Ana Maria Villalba e a soprano Stela Brandão. A bela capa do disco é um projeto do designer Marcelo Terraza, da Artwork Design Gráfico, contando com ilustrações de Rômulo Andrade e fotos de Lu Maia e Iberê Guarani M’byá.

Em 12 faixas autorais, Dons traça um paralelo também à trajetória de vida da cantora, narrando desde a sua chegada à capital, em 1970, até os dias de hoje. Abrindo o trabalho, a faixa Fios é inspirada nos artesanatos do capim dourado do Jalapão, narrando um encontro de culturas presentes no Estado de Tocantins. Na faixa-título, Dons, o compromisso com a herança e tradição são lidos como presentes da existência. Canção sobre o céu do Centro-Oeste, em É muito Bonito são a flora do cerrado e o medo do fogo que dão o tom. Em O Futuro Chegou, a artista narra sua chegada à Brasília em tempos de ditadura militar.

Capitolino é parte da trilha sonora autoral da artista para a peça de teatro “As aventuras de um Diabo malandro” (, até então sem registros). Embora composta em 1980, a faixa se mostra muito atual, narrando um personagem invasor e explorador da Amazônia. Em Juruá, faixa dedicada a Moisés Piyako do povo Ashaninka, a Amazônia retorna ao centro do debate, reproduzindo a vista de um sobrevoo pela floresta, em saudação aos povos e seres das matas. Diálogos amazônicos têm continuidade em É Verde, uma reflexão sobre a proteção do meio ambiente através dos mistérios da ayahuasca.

Com Clara, Keilah interpreta o encontro de um mestre espiritual com sua mentora, a Rainha da Floresta. A canção, com letra de Silene Farias e Francis Mary integra o repertório do folguedo acreano Jabuti Bumbá. Em Thor, um garoto de quatro anos ganha sua primeira experiência na floresta amazônica. Por fim, as faixas Cabocla e Brilhou trazem, respectivamente, reflexões sobre amores intensos e sonhos, e Iemanjá reverencia a rainha do mar, encerrando o trabalho.

Sobre Keilah Diniz

Compositora e cantora, Keilah Diniz nasceu em Nova Aurora, cidade do interior goiano, onde viveu toda sua infância. A adolescência, passou em Goiânia, e as fases juvenil e adulta entre Brasília e Rio Branco, Acre. Graduou-se em Música pela Universidade de Brasília, com Licenciatura em Composição e Regência. Sua carreira musical teve início com a participação em festivais de MPB e desenvolveu-se com a realização de vários shows em cidades do Centro-Oeste e Norte do País, como Brasília, Goiânia, Rio Branco, Manaus, Palmas, dentre outras. Criou trilhas sonoras para peças teatrais e teve ampla presença artística em movimentos sociais.

Sua primeira projeção musical foi no 1º Festival Universitário de Música Popular Brasileira em Goiânia, em julho de 1969, há exatos 50 anos, recebendo classificação e prêmio com a música Tempo de Mudar, grande sucesso do festival, gravada em disco compacto. O primeiro show individual – Maná – aconteceu em Brasília, no mês de março do ano de 1979. Sua obra musical, de característica popular, abrange estilos e temáticas diversas, com destaque para canções que retratam a realidade amazônica, os povos da floresta, os rios, as manifestações da cultura popular e religiosa, o cerrado, a natureza viva, as emoções românticas.

Sua discografia consta dos CDs Amazônia…a Deus (1998), Cores da Mata (2002) e o mais recente Dons (2019), todos gravados em Brasília, com músicos brasilienses. Os dois primeiros sob direção musical e arranjos do maestro Eugênio Matos e o último com direção e arranjos do maestro Flávio Fonseca. O álbum Cores da Mata conta com a participação especial do violonista Sebastião Tapajós e do violista Roberto Corrêa.

Músicas de sua autoria foram trilha sonora do documentário O Divisor que nos Une, direção de Maristela Bernardo e fotografia de Bento Viana. Participou do lançamento nacional desse documentário, ao lado de músicos da aldeia indígena Ashaninka do Rio Amônia, no Cine Brasília, em setembro de 2004. Pelo conjunto de sua obra musical e participação nos movimentos sociais, Keilah Diniz foi agraciada com o Prêmio Chico Mendes, edição 2007, na Categoria Arte e Cultura, concedido pelo Ministério do Meio Ambiente do Brasil. Em outubro de 2013, participou do Festival JAM à Montreux, com shows individuais em Montreux e Genebra, na Suíça.

Serviço – Lançamento do disco Dons, de Keilah Diniz

Data: 15 de outubro de 2019

Horário: 21 horas

Local: Clube do Choro de Brasília (SDC Bloco G – Brasília; entre a Torre de TV, o Centro de Convenções e o Planetário)

Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). À venda na Bilheteria do Clube do Choro de Brasília (Segunda à sexta, das 10h às 18h. Sábado, das 19h às 22h. Em dias de show, das 10h às 22h.), nos pontos de venda da Bilheteria Digital (Pátio Brasil, Conjunto Nacional e Brasília Shopping) ou pelo site bilheteriadigital.com/clubedochoro

Classificação indicativa: Livre para todos os públicos

Informações: 61 3224-0599


Fechar

Enviar email

Que tal ter acesso rápido e fácil ao seu roteiro de onde estiver?
Envie por e-mail, compartilhe com amigos, e divirta-se em BSB!!!

Fechar

Criar novo roteiro

Fechar

Editar Roteiro

Fechar

Esqueci minha senha

Fechar

Aviso

Solicitação enviada com sucesso!