OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS - Visite Brasília
EnglishJapanesePortugueseSpanish
03.09.2019

OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS

Ceu Divulgacao 1 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS

De 7 a 29 de setembro de 2019
Ocupação Contém (Piscina com Ondas – Parque da Cidade)
Entrada franca

Céu, Alice Caymmi, Clarice Falcão, Roberta Sá, Mahmundi, Chico Chico, Samba Urgente, Jean Tassy, Lupa, O Tarot, Ellefante, Natália Carrera e Raquel Reis integram o line up da primeira edição do Ocupa! – 1º Festival de Artes Contemporâneas de Brasília. Uma iniciativa da Ocupação Contém na Piscina com Ondas (Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek) que traz grandes nomes nacionais e atrações locais para lotar o espaço que ganhou nova vida através da Cultura. Com preços acessíveis se proporciona uma programação pensada para reunir os brasilienses no coração da cidade, ao ar livre, com o céu como cenário.

Ocupar criativa e culturalmente um espaço antes abandonado e nunca esquecido em cidade. Do lazer descompromissado ante a aridez nos meses de agosto e setembro da Brasília nos anos 1980 e 1990, ao resgate como área preferencial de convívio, a Piscina Com Ondas passou mais de vinte anos numa espécie de limbo, onde deixou de ser o espaço público na definição tal qual conhecemos.
O Ocupa! – 1º Festival de Artes Contemporâneas de Brasília chega para coroar uma iniciativa inédita de ocupação de área urbana por meio de intervenções de arte e cenografia, música e diversão, cultura urbana e comportamento.

O festival propõe um mergulho ousado nas artes contemporâneas e alguns de seus expoentes locais e nacionais, com uma programação multicultural de 7 a 29 de setembro, com entrada franca.
O projeto foca em três eixos temáticos: Artes Visuais, Música e Cinema. Brasília que nasceu de um desenho, virou Capital do Rock e celeiro de grandes diretores reafirma sua gênese diversa e a interação entre linguagens que dialogam com uma cidade planejada.

Pensar em um Festival que ressignifica um espaço esquecido na metrópole que foi construída sob a égide utópica do Modernismo traz não só memórias quanto novos sentidos. O sonho de Dom Bosco, desenhado por Lúcio Costa, erigido por Niemeyer se concretizou através do visionário JK. Uma legião de desbravadores que remete ao ímpeto da Missão Cruls em demarcar territórios inóspitos e erguer uma nova Capital no centro geográfico do País ao estabelecer um ponto de convergência de sotaques e influências.

Tombada como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade (1997) e Cidade Criativa do Design (2019), Brasília hoje integra o seleto hall da Rede de Cidades Criativas, ao lado de Detroit, Berlim, Puebla, Xangai e Montreal. O “Ocupa! – 1º Festival de Artes Contemporâneas de Brasília” reafirma a fusão entre arte, espaço e tempo e lança a reinvenção de uma utopia.

“O céu é o mar de Brasília”. Desenhou Niemeyer em contraponto à distopia. Deste azul com diversas matizes de cor brota a água que nos falta na estiagem e nos sobra na memória. A Piscina com Ondas ocupada se torna um oásis cultural na seca. O maior parque em área urbana do mundo voltou a ser um ponto de encontro que movimenta a tanto a economia criativa quanto a sede por uma programação de alto nível.

O “Ocupa! – 1º Festival de Artes Contemporâneas de Brasília” resgata a vocação natural de uma Brasília sempre efervescente. A palavra “ocupar” vem do latim occupare. “Pegar”, “apanhar”, “capturar”, “apoderar-se”, “conquistar”. Quem Ocupa! toma posse de algo que está à sua frente com iniciativa e uma certa dose de coragem.

O Festival segue o ímpeto pioneiro da Ocupação Contém, inaugurada em 13 de julho e que já reverbera em grandes números, postagens e hashtags. O projeto ganha lançamento com duas mostras de Artes Visuais que apresentam obras espalhadas por sete galerias de arte contemporânea.

São dezessete artistas que dedicam obras para Brasília e dialogam com a ação do tempo sem mascarar vestígios. O abandono, lixo e odores fétidos não mais existem, agora a sinestesia aguça fruições entre arte, arquitetura e espaço urbano. O Programa Educativo, coordenado por Renato Acha, vai contar com visitas orientadas onde mediadoras convidam os visitantes ao diálogo em um percurso de fruição de ideias.

As mostras foram divididas em dois panoramas:

Mostra 1: “Brasília 60 – Novas Candangas”: A Mostra “Brasília 60 – Novas Candangas” lança o olhar para o futuro próximo, mais precisamente 2020, ano em que Brasília celebra 60 anos de inauguração. Tal qual a capital criada no Planalto Central para unir a diversidade do Brasil, a mostra celebra a alma feminina e as mulheres que produzem Arte Contemporânea na capital.
A exposição gira em torno da efeméride que marca seis décadas de uma proposta inovadora, onde o Modernismo foi celebrado na Arquitetura de Oscar Niemeyer, no Urbanismo de Lúcio Costa, na Arte de Athos Bulcão, Marianne Perretti, Alfredo Ceschiatti, Bruno Giorgi e nos jardins de Burle Marx. Uma lista em grande parte permeada por presenças masculinas. Neste recorte curatorial proposto por Renato Acha, figura Brasília como uma mulher sessentona.

As artistas Cila MacDowell, Jacqueline Lisboa, Janine Moraes, Joana França, Marjorie Yamaguti, Raquel Aviani, Raquel Nava, VJ Grazzi, Waleska Reuter e Zuleika de Souza integram a exposição coletiva. A ideia de plurissignificação do espaço proposta pela ação na Piscina com Ondas ganha matizes singulares ao se acentuar o importante papel das mulheres na arte e na vida social e política da sede do poder no centro do País.

A Mostra “Brasília 60 – Novas Candangas” também vai contar com mediadoras do Programa Educativo, que promovem uma viagem por este universo que relaciona a gênese da cidade, seu uso, tombamento, sua revisão por artistas e coletivos em um processo que remete ao legado de uma jovem senhora metrópole. As relações de poder entre o feminino, a arte, a arquitetura, o urbanismo e a antropologia integram um percurso educativo com visitas orientadas abertas a todos os públicos.

Mostra 2 – “Utopias Efêmeras”:
Brasília se fez a partir de uma utopia de nação, e no presente, a caminho das comemorações dos seus 60 anos, a utopia que encontramos na capital é outra: faz parte do presente. É quase uma fabulação que borra a clássica noção infinita de projeção futura, e é oferecida por artistas que transformam pedaços da cidade e materiais banais do cotidiano em obras de arte.

Reunimos nesta exposição a produção de sete artistas que vivem na capital federal e que, dentro do espírito da ocupação da piscina de ondas do Parque da Cidade, mostram que o ordinário pode ganhar potências outras. Afinal uma obra de arte nos ensina a ver o mundo com outros olhos, assim como um espaço abandonado em ruínas passa a ser também lugar para contemplação.

Papel higiênico, plásticos, parafusos, toras de madeira, canos de pvc e muitos lacres são usados pelos artistas para construir essas novas fantasias e narrativas que carregam energias para que possamos dar conta do Universo e da própria vida. A arte usa táticas de repetição, de manipulação, de distração e, principalmente, de ilusão para construir as utopias efêmeras. O que é maciço pode ser dobrado; o frágil ganha volume e imagens; o orifício do cano captura paisagens e o ambiente saturado de ironias da internet vai parar em telas pintadas.

Em comum, os jovens artistas Pamella Anderson, Cecília Bona, João Trevisan, Levi Orthof, Cecília Mori, Gustavo Silvamaral e Íris Helena usam da síntese e do precário para construir seus trabalhos, oferecem novas possibilidades de leitura das coisas e jogam com o absurdo. O que eles querem, no fundo, é estimular o público a novos modos de subjetivação, a novas experiências estéticas. Percorrer as obras da exposição é se surpreender com as inimagináveis possibilidades de transformação dos materiais mais comuns, e no fundo perceber – e isso é o mais importante – que é divertido ter uma outra percepção das coisas e do lugar onde vivemos. Imagens rápidas como ondas artificiais em uma piscina. Curadoria de Clauder Diniz.

Alice Caymmi Foto Gustavo Zylbersztajn 2 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS Banda Ellefante Foto Gabriel Oliveira Divulgacao 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS

Ceu Divulgacao 1 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS

Chico Chico Divulcacao 1 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS Mahmundi Foto Eduardo Magalhaes 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS Roberta Sa Divulgacao 2 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS Samba Urgente Foto Julia Bandeira 150x150 OCUPA! 1º FESTIVAL DE ARTES CONTEMPORÂNEAS

 

 

 

 

 

 

 

 

Programação:

7 de setembro (sábado):
19h00: Jean Tassy (DF) – Atração Musical
20h30: Chico Chico e João Mantuano (RJ) – Atração Musical
22h30: Alice Caymmi (RJ) – Atração Musical

8 de setembro (domingo):
18h00: Marjorie Yamaguti – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
22h00: Encerramento da visitação das galerias

13 de setembro (sexta):
17h00: Abertura das Galerias de Arte
22h00: Encerramento da visitação das galerias
19h00: Cecília Bona – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
20h00: Gustavo Silvamaral – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
21h00: Levi Orthof – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras

14 de setembro (sábado):
18h00: Joana França – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
19h00: Zuleika de Souza – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
21h00: Samba Urgente (DF) – Atração Musical
22h30: Roberta Sá (SP) – Atração Musical

20 de setembro (sexta):
17h00: Abertura das Galerias de Arte
19h00: Íris Helena – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
20h00: Cecília Mori – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
21h00: João Trevisan – Roda de Conversa / Mostra Visual – Utopias Efêmeras
22h00: Encerramento da visitação das galerias

21 de setembro (sábado):
18h00: Cila Mac Dowell – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
19h00: Jacqueline Lisboa – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
20h00: Raquel Aviani – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
18h00: O Tarot (DF) – Atração Musical
19h00: Lupa (DF) – Atração Musical
20h30: Mahmundi (RJ) – Atração Musical
22h30: Clarice Falcão (RJ) – Atração Musical

28 de setembro (sábado):
17h00: Abertura das Galerias de Arte
18h00: Waleska Reuter e Raquel Nava – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
19h00: Janine Moraes – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
20h00: VJ Grazzi – Roda de Conversa / Mostra Visual – Brasília 60 – Novas Candangas
18h00: Natália Carrera (DF) – Atração Musical
19h00: Raquel Reis (DF) – Atração Musical
20h30: Ellefante (DF) – Atração Musical
22h00: Encerramento da visitação das galerias
22h30: Céu (RJ) – Atração Musical

Serviço: Ocupa! Festival de Artes Contemporâneas
Data: De 7 a 29 de setembro de 2019
Local: Ocupação Contém (Piscina com Ondas – Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek)
Artes Visuais: Visitação gratuita nas mostras, de quinta a domingo, de 17 às 22 horas, com visitas orientadas pelo Programa Educativo
Música: Ingressos para os shows à venda no Sympla
Informações: www.festivalocupa.com.br

Ocupação Contém
Funcionamento: De quinta a domingo
Quintas: De 18:00 às 23:00
Sextas: De 17:00 a 01:00
Sábados e domingos: De 15:00 à 01:00
Entrada franca
Não será permitida a entrada com comidas ou bebidas
Informações: www.facebook.com/Contembsb/

Fechar

Enviar email

Que tal ter acesso rápido e fácil ao seu roteiro de onde estiver?
Envie por e-mail, compartilhe com amigos, e divirta-se em BSB!!!

Fechar

Criar novo roteiro

Fechar

Editar Roteiro

Fechar

Esqueci minha senha

Fechar

Aviso

Solicitação enviada com sucesso!