EnglishJapanesePortugueseSpanish

Professora do IFB participa de pesquisa sobre o ensino remoto de música em tempos de pandemia


%name Professora do IFB participa de pesquisa sobre o ensino remoto de música em tempos de pandemia

Os professores têm passado por uma fase de transição durante a suspensão das aulas presenciais em razão da pandemia. Não seria diferente para o ensino de Música, que tem exigido dos professores explicações em instrumentos musicais ou na voz cantada em situações remotas. Pensando nisso, um professores do Instituto Federal de Brasília e da Universidade de Brasília (UnB) apresentaram, durante a Semana de Produção Científica do IFB, pesquisa sobre o ensino na área de Música em tempos de pandemia. A proposta buscou identificar pesquisas que tratassem do ensino remoto emergencial de música em busca de soluções eficientes para essa modalidade no atual momento.

A pesquisa

Para isso foi realizada pesquisa bibliográfica no Portal da Capes considerando as seguintes palavras-chaves: “music education”, Covid-19, “on-line learning” e “emergency remote teaching”.

“Foram encontrados cinco artigos que tratam do ensino emergencial de música, e o foco dos autores recai na adaptação do ensino e aprendizagem, a avaliação e o que se deseja alcançar com o ensino musical remoto. Em menor escala, as pesquisas trazem a preocupação do acesso às tecnologias necessárias para realização das aulas, a classe social, a participação e a assiduidade dos estudantes”, explica a professora Juliana Faria, do Instituto Federal de Brasília.

No levantamento, para alguns autores, a tecnologia é um fator crucial para o ensino de música de forma remota e impacta diretamente no aprendizado. Nesse sentido, alunos que já têm um amplo acesso às tecnologias requerem de seus professores a exploração delas, como: aplicativos de chamadas de vídeo, de criação e edição de vídeos e de áudios e de instrumentos virtuais ou on-line.

Porém, os professores devem se atentar para os alunos de classes mais baixas e com recursos tecnológicos reduzidos.

“Nesse caso, as pesquisas apontam o uso de aplicativos de mensagens, que são de mais fácil acesso, que podem ser empregados para a gravação e montagem de áudios e vídeos mais curtos de modo a compartilhá-los com outros colegas ou professores”, conta a professora.

Na pesquisa, há o levantamento de recursos que atendem ao ensino de composição e arranjo e de instrumentos musicais. No primeiro caso, tem-se o BandLab, um aplicativo gratuito que disponibiliza diversos instrumentos virtuais e permite a gravação e edição de faixas musicais pelo usuário. No segundo, há indícios de melhoria nos atendimentos on-line em razão de a acessibilidade aos recursos de gravação permitirem ao estudante gravar sua performance e autoavaliar-se.

Conclusão

Com o estudo, foi possível perceber que o ensino apresentado nos modelos exemplificados da área de Música requer qualidade de Internet de ambos – emissor e receptor – mesmo considerando “delay” . Como conclusão, afirma-se que soluções simples e de baixo custo podem otimizar o ensino remoto de Música, uma vez que atendem requisitos básicos de qualidade de áudio. No entanto, enquanto durar a pandemia, situações de atendimento on-line continuam sem solução requerendo do professor de música capacitação para gravação e edição de áudios e vídeo.

Fonte: Pesquisa “Ensino remoto emergencial de música: soluções em tempos de pandemia”, professores Juliana Rocha de Faria Silva (IFB), Flávia Motoyama Narita (UnB) e o estudante Leonardo Marques da Silva (IFB).

Por: visitebrasilia
Data: 27/05/2021


Fechar

Enviar email

Que tal ter acesso rápido e fácil ao seu roteiro de onde estiver?
Envie por e-mail, compartilhe com amigos, e divirta-se em BSB!!!

Fechar

Criar novo roteiro

Fechar

Editar Roteiro

Fechar

Esqueci minha senha

Fechar

Aviso

Solicitação enviada com sucesso!